Vocação empreendedora: Será que você possui? - ApoioEmpresário
Dicas úteis

Vocação empreendedora: Será que você possui?

No Empreendedorismo, usa-se com frequência expressões como “empreendedor por vocação” e “empreendedor por opção”, se bem que com a crise econômica brasileira outra expressão também ganhou destaque: o “empreendedorismo por necessidade”.

Neste artigo, você encontrará os principais elementos (ou características) que apontam a verdadeira vocação empreendedora em um indivíduo. Veja a seguir quais são eles.

O trabalho não é obrigação e sim prazer

Você já ouviu (ou leu) esta frase: “Escolha um trabalho que você ame e assim não terá de trabalhar nenhum dia de sua vida”? Este é um dos provérbios mais famosos do sábio oriental Confúcio que aponta uma questão bastante pertinente e que lhe serve de reflexão: Você trabalha por que gosta ou trabalha por obrigação?

Quando uma pessoa percebe o trabalho como um fardo pesado dificilmente se tornará um empreendedor, pois este desenvolve outra relação com o trabalho, da mesma forma que um atleta de alta performance encara uma rotina de treinos, ou seja, cada tarefa ou ação é a possibilidade de desenvolver habilidades e superar desafios.

Torne-se um empreendedor de sucesso!

Cadastre o seu e-mail em nossa lista e receba as novidades primeiro!

I agree to have my personal information transfered to MailChimp ( more information )

Fique tranquilo, o seu e-mail estará seguro conosco. Você poderá se retirar da lista a qualquer momento.

Preferem os desafios aos riscos

Ao contrário do que se pressupõem, os empreendedores gostam de desafios porque estes lhe provocam o ensejo da luta e de sua superação para mostrar mais para si próprios do que para os demais que consegue vencer e se predispor a desafios maiores. Em outras palavras, os empreendedores possuem fortes semelhanças com pilotos esportivos que a cada volta buscam o acerto ideal do carro para fazer o melhor tempo.

Quanto aos riscos, esses quando aceitos pelos empreendedores geralmente são calculados, e logo se estabelece de antemão até que ponto estará disposto a arriscar algo ou algum dinheiro. Pode-se dizer que os desafios geram mais adrenalina do que os riscos.

Necessidade de criar, inventar e reinventar

O empreendedor por vocação é aquele que sente necessidade de criar um produto ou começar um projeto, como também de inovar sobre algo existente ou reinventar algo para atender uma necessidade urgente.

Ninguém melhor do que ele sabe que “a necessidade é a mãe das invenções”, ou seja, as boas oportunidades sempre surgem nas mais diferentes situações. De acordo com Luiz Calainho em sua obra “Reinventando a si mesmo: uma provocação autobiográfica” (publicado em 2013 pela editora Agir), o empreendedor é aquele dotado da capacidade de conceber, realizar e também coordenar projetos, já que empreender é o mesmo que criar.

Insatisfação constante (principalmente financeira)

A insatisfação é ao mesmo tempo um problema e um fator motivacional na vida do empreendedor que, segundo Fernando Dolabela e Marco Gorini na obra “Empreendedorismo na base da Pirâmide: A história de um intraempreendedor. Desafios e Aprendizados” (lançado em 2014 pela Editora Alta Books) é movido pela insatisfação e inconformado por natureza, pois sempre tem gana por melhorar.

Desta forma, se hoje ele ganha R$ 1.000,00, não ficará contente e vai querer mais, já que ele sente e sabe que tem capacidade para obter maiores ganhoso lucro é sempre uma visão do seu futuro!

É proativo por natureza

Conforme Stephen Covey em sua obra “Os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes: Lições poderosas para a transformação pessoal” (edição de 2005 pela editora Best Seller) a pró- atividade implica em cada um de nós a responsabilidade que temos sobre as nossas próprias vidas, visto que o nosso comportamento é o resultado das decisões tomadas e assim os fatos acontecem ou se fazem evidentes.

Dito em outras palavras, a pró-atividade é uma excelente característica que faz com que o empreendedor mantenha-se em constante movimento, pois ele pensa, cria e transforma. Além do mais, sabe que todos os acertos e erros cometidos são ocasionados por suas ações ou faltas delas e ciente disso fará mais e melhor na próxima oportunidade.

É muito persistente

Uma pessoa dotada de um espírito persistente terá muito mais chances de desenvolver um bom projeto e crescer do que outro empreendedor que não possui essa característica, e sabe por quê? Devido a fatores decisivos como, por exemplo, não desistir diante dos obstáculos, ter a capacidade de reavaliar, insistir ou mesmo mudar os seus planos (tendo em vista a superação dos seus objetivos) e esforça-se acima da média para se atingir os objetivos colocados.

No mundo dos negócios dificilmente um empreendimento dá certo do dia para a noite, pois o que se verifica é que um projeto acontece após certo período, que varia de acordo com cada modelo de negócio, sendo que pode começar a dar certo a partir de seis meses, como também de um ano, dois anos ou mais.

Em todo o caso, a necessidade do trabalho constante, com a devida dedicação e persistência são as bases do crescimento de qualquer negócio de sucesso.

Como escolher o ramo de negócios certo?

Despertar ou reconhecer a vocação empreendedora é o primeiro e importante passo e o segundo é saber qual dos vários ramos de negócio é ideal e atende o seu perfil profissional.

Embora muitos especialistas no assunto digam que o empreendedor deve atuar em um ramo, cuja atividade deve ser aquela que você realiza com paixão, não é tudo. Existem alguns fatores que são determinantes para fazer a escolha certa como, por exemplo, a habilidade comercial e administrativa que o negócio precisa ter. Desta forma, é importante que o empreendedor considere esses detalhes na hora de escolher o campo em que deseja atuar.

É claro que não é possível uma pessoa ser boa em tudo que faz, mas deve conhecer cada área e se for preciso contar com bons profissionais que atuam justamente naquela especialidade em que você conhece pouco.

Ciente disso, você deve considerar que o seu negócio deverá contar com um bom atendimento, o qual é bastante valorizado por parte dos clientes (até mais do que produtos, serviços e preços) e que consequentemente deve-se valorizar o indivíduo e buscar atender as suas necessidades.

Últimas considerações

Como você percebeu ao longo deste artigo, a vocação empreendedora poderá ser reconhecida ou despertada, já que a mesma poderá se encontrar em estado latente. Se após esta leitura você chegou à conclusão que tem certeza que possui talento para os negócios é importante que comece a trabalhar sempre focado na realidade do mercado e dedicado ao seu projeto, para que o mesmo se desenvolva como deseja.

Referências

CALAINHO, LUIZ. Reinventando a si mesmo: uma provocação autobiográfica. Rio de Janeiro: Agir, 2013

COVEY, Stephen R. Os 7 Hábitos das Pessoas Altamente Eficazes: Lições Poderosas para a Transformação Pessoal – 25ª Edição. Rio de Janeiro: Best Seller, 2005.

DOLABELA, Fernando; GORINI, Marco. Empreendedorismo na base da Pirâmide: a história de um intraempreendedor, desafios e aprendizados. Rio de Janeiro: Alta Books, 2014

Vinícius Gregório

Vinícius Gregório

Redator nas horas vagas, empreendedor na área de consultoria de negócios e sistemas de gestão empresarial, acredita que toda empresa pode ser aprimorada através da inovação e melhoria contínua dos processos.